Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 11 de julho de 2012

acerca da cassacao de demostenes torres - (J. M. de Barros Dias)

"Eu quero pedir aos senhores. Por favor, me deem a oportunidade de provar que sou inocente. Não acabem com a minha vida. Não me deixem disputar uma eleição só em 2030", disse o senador Demóstenes Torres minutos antes de ter o seu mandato cassado.
Este bandido está acabado. Há, contudo, na vida pública brasileira muitos, muitíssimos outros bandidos. Alguns deles são de quilate ainda pior do que este Demóstenes.
O que fazer, então? Enfiar chumbo no corpo deles? Não. Reelegê-los? Também não. Dar-lhes uma nova oportunidade, esperando que os políticos do quilate deste péssimo Demóstenes se regenerem? Jamais: o que regenera é rabo de lagartixa, não é político.
Devemos aplicar-lhes a lei. Devemos estabelecer um divisor claro das águas. Nós, as pessoas de bem, somos mais e somos melhores que os sujeitos da índole moral de Demóstenes. Nós não estamos na História comendo à mesma mesa do que os bandidos que se locupletam com o bem público.
Nós somos dignos. Nós tratamos dignamente os outros. Nós somos do Bem. E eles, os corruptos, os bandidos, os indignos têm que saber isto, de uma vez por todas: eles serão esquecidos pelo Criador. Eles serão pasto dos vermes. Deles não haverá memória. - (J. M. de Barros Dias)

Nenhum comentário: