Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 12 de maio de 2012

Carta de tesoureiro do PT a empresários, em nome da “Presidente Dilma”, tem cara de achaque e de chantagem

Desculpo-me, claro, por ser um dos poucos a desafinar o coro dos contentes e falar de coisas que não remetam à "neo-Dilma", a "Tchutchuca do Pós-Lulismo", como se isso existisse. Desculpo-me por lembrar que o PT continua a ser PT. Vamos ver.  Na campanha do primeiro turno, o tesoureiro do partido, José Filippi Jr., já mandava cartinhas para as empresas que tinham, digamos assim, um pé na brutalidade. E não é difícil entender por quê. À época, escrevi um post a respeito (Aqui).  Leiam um trecho daquela carta:
"Em 2006. procurei sua empresa como coordenador financeiro da campanha de reeleição do presidente Lula. Naquele momento, sua empresa não aceitou o convite para contribuir com nossa campanha. De todo modo, acredito que ela tenha se beneficiado com os avanços conquistados pelo Brasil…"

Fillippi Jr. está de volta. Agora, ele precisa cobrir o rombo deixado pela campanha. Uma nova carta está sendo enviada. Depois de listar as conquistas do governo Lula, ele pede mais dinheiro. E fala em nome da presidente eleita: "Estou contatando o senhor e sua empresa em nome da Presidente Dilma Rousseff". O homem cria até um novo conceito sociológico: a "cidadania corporativa", que deve ser uma coisa  meio parente do fascismo: "A participação de sua empresa nesta eleição, como estabelece a lei brasileira, será muito bem vinda. Buscamos nesta eleição ampliar o número de empresas engajadas nessa prática de cidadania corporativa." Depois de deixar claro que o governo é excelente e que as empresas têm o dever cívico de participar, só resta apontar o caminho para a contribuição, dando-a como certa (abaixo, a imagem, que pode ser ampliada; no pé, a integra). Ainda sigo:

Imaginem isso numa república que se levasse a sério mesmo — não naquela em que Chico Buarque não pode perder um prêmio literário… Que o PT, jamais Dilma, expusesse as suas necessidades aos empresários, vá lá. Que listasse as conquistas do partido — NÃO AS DO GOVERNO — para convencer, muito bem! Mas o pedido de dinheiro "em nome da Presidente Dilma Rousseff" tem a cara indisfarçável do achaque e da chantagem. Trata-se de uma afronta ao espírito republicano. É o mesmo que advertir: "A presidente saberá quem colaborou e quem não colaborou". Colaborou com o quê? Com a sua eleição? Não!!! Com aquele Brasil maravilhoso de que fala Filippi Jr., claro! UMA PRESIDENTE DA REPÚBLICA, AINDA QUE APENAS A ELEITA, NÃO PEDE DINHEIRO JAMAIS NEM USA CONQUISTAS DA SOCIEDADE COMO SE FOSSEM COISAS PRIVADAS, PERTENCENTES A UMA FACÇÃO OU PARTIDO.

Haverá algum protesto ou barulho? Ora, pensa-se no neojornalismo, "o que há de errado em uma autoridade pedir a empresários dinheiro para o seu partido, empresários que podem vir a ser beneficiados ou prejudicados a depender das decisões do governo? Isso é normal! Tão normal quanto roubar o Prêmio Jabuti".

Segue a íntegra da "carta". No pé do post, imagem da carta enviada no primeiro turno.

Brasília, 04 de Novembro de 2010.

Prezad (…)

Dilma Rousseff foi eleita Presidente da República, a primeira mulher na história do Brasil. Sua vitória representa uma opção dos eleitores pela continuidade do governo Lula, que criou 14 milhões de novos empregos formais, tirou 28 milhões de pessoas da pobreza e promoveu a ascensão de 36 milhões para a classe média. O Brasil tem hoje destacada posição de liderança internacional e enfrentou com sucesso a grave crise de 2008.
Neste momento em que nos preparamos para uma nova etapa de desenvolvimento econômico e social do Brasil, estou contatando o senhor e sua empresa em nome da Presidente Dilma Rousseff. O segundo turno da campanha eleitoral gerou novas despesas especialmente, com materiais de divulgação, que estamos buscando saldar ainda neste mês de novembro, de acordo com as normas da arrecadação eleitoral. Muitos empresários brasileiros já contribuíram, optando por exercer esse direito facultado pela lei eleitoral, que deixa o financiamento das campanhas a cargo das empresas, principalmente, e dos cidadãos.
A participação de sua empresa nesta eleição, como estabelece a lei brasileira, será muito bem vinda. Buscamos nesta eleição ampliar o número de empresas engajadas nessa prática de cidadania corporativa. Dentro deste espírito, tenho prazer de convidar sua empresa a dar uma contribuição para a campanha de Dilma Rousseff. A doação deve ser feita por meio de depósito (DOC ou TED), diretamente na conta da campanha. Mais informações e as instruções para depósito e emissão do recibo podem ser solicitadas por email ou por meio de contato com nosso Comitê Financeiro no telefone abaixo.

Obrigado e um abraço,
José de Filippi Jr., ex-prefeito de Diadema-SP, deputado federal eleito pelo PT-SP.
Coordenador financeiro da Campanha Dilma Presidente 2010.

(Por Reinaldo Azevedo - (05/11/2010 às 19:150)

gosto do reinaldo por sua sobriedade e lucidez, mas mais ainda, por sua coragem e ousadia em abrir o peito e falar o que tem que ser dito, doa a quem doer; ou como diria o collor: "Duela a quien duela"

Nenhum comentário: